Cloud Computing Ultrapassará Métodos Tradicionais em 2018

Recuperação de desastre baseada em nuvem vista para ultrapassar métodos tradicionais em 2018. A computação em nuvem continua a avançar em todos os aspectos das empresas e uma dessas aplicações populares é para aumentar a resiliência de sistemas de TI inteiros contra desastres. Este crescimento vale a pena observar como o Gartner prevê que, até 2018, o número de organizações que usam a recuperação de desastres baseada em nuvem ou o modelo de Recuperação de Desastres como Serviço – DRaaS, excederá o número de organizações que usam serviços de recuperação tradicionais.

Rasões para as empresas abraçarem o DRaaS

Há muitas boas razões para que as empresas abraçam o DRaaS, mas, de acordo com a principal empresa de serviços de nuvem e IPC, a principal motivação para isso é como reduzir drasticamente o tempo de inatividade. Isso é crucial, uma vez que a produtividade dos funcionários, a experiência do consumidor e as receitas, para citar alguns, são afetadas negativamente sempre que o tempo de inatividade interrompe as operações.

O problema com DRaaS hoje

O mercado de recuperação de desastres como serviço (DRaaS) obtém muito zumbido, mas os usuários finais nos dizem que é difícil de fazer. Muitos dos produtos no mercado hoje oferecem uma solução DRaaS, além de, ou separada de, uma estratégia geral de proteção de dados, muitas vezes puxando o foco da TI longe de seus investimentos e impulso de datacenter atuais. Essas soluções adicionam uma camada adicional de complexidade de gerenciamento e, muitas vezes, deixam as empresas incertas para que elas possam realmente se recuperar se algo estiver muito errado.

O uso de Failover

Uma das maiores vantagens do failover baseado em nuvem é que mesmo as empresas de pequeno e médio porte agora podem se comprometer para o failover baseado em nuvem. É mais caro do que apenas usar backup e recuperação baseados em nuvem, mas é consideravelmente menos caro do que construir ou localizar centros de dados secundários totalmente espelhados. Chamamos isso de recuperação de desastre de oferta como um serviço, ou DRaaS.

Quando escolher um serviço DRaaS, mantenha esses pontos em mente:

  1. A maioria dos provedores de DRaaS oferece failover para um centro de dados virtual na nuvem. A descoberta baseada em nuvem como um serviço executa servidores virtualizados na nuvem, que são independentes de um desastre do centro de dados físico.
  2. Experiência da equipe local. Sua equipe de TI deve estar familiarizada com a virtualização. Escolher o DRaaS não o absolve de contratar administradores de virtualização, pois você ainda deve trabalhar com o provedor.
  3. Desempenho WAN suficiente. Você precisará investir em conectividade suficiente para fazer backup, restaurar e failover conforme os acordos de nível de serviço. Seu fornecedor deve fornecer recursos de aceleração WAN para ajudar.
  4. Diligência devida. Um ambiente de nuvem seguro em um data center certificado é um começo mínimo. Você também quer entender as vantagens e desvantagens de diferentes infraestruturas da nuvem, incluindo a nuvem pública, nuvens fornecidas pelo fornecedor e nuvens privadas nas instalações.

Lembre-se de que tomar decisões em torno de DRaaS levará tempo e dinheiro. Mesmo com um serviço gerenciado, a responsabilidade final para suas aplicações está com você. Você está pagando pelo seguro que você espera que você nunca precise usar.

 

Se você ainda tem dúvidas sobre esta postagem: Cloud Computing Ultrapassará Métodos Tradicionais em 2018, pode ser necessário ver a próxima, ou deixar um comentário.


atualizado em:01/11/2017 iCloud BR

 

 

Deixe um Comentário

Digite o Resultado Para Prosseguir: *